sábado, agosto 09, 2008

"The Rime of the Ancyent Marinere - A Balada do Velho Marinheiro"




THE RIME OF THE ANCYENT MARINERE IN SEVEN PARTS

The ice was here, the ice was there,
The ice was all around:
It crack'd and growl'd, and roar'd and howl'd
Like noises of a swound.
At lenght did cross an Albatross,
Thorough the Fog it came;
And an it were a Christian Soul,
We hail'd it in God's name.
The marineres gave it biscuit-worms,
And round and round it flew:
The ice did split with a Thunder-fit;
The Helmsman steer'd us thro'.
And a good south wind sprung up behind,
The Albatross did follow;
And every day for food or play
Came to the marinere's hollo!
In mist or cloud on mast or shroud
It perch'd for vespers nine,
Whiles all the night thro' fog-smoke white
Glimmer'd the white moon-shine.
"God save thee, ancyent Marinere!
From the fiends that plague thee thus
Why look'st thou so?"-with my cross bow
I shot the Albatross.

A BALADA DO VELHO MARINHEIRO EM SETE PARTES

O gelo estava aqui, o gelo estava ali,
Só gelo no lugar;
E rangia e rosnava, e rugia e ululava,
Os sons de um desmaiar.
Enfim passou por nós, bem no alto, um Albatroz,
Vindo da cerração;
Em nome do Senhor nós o saudamos, como
se fosse outro cristão.
Comeu o que jamais comera, e lá na altura
Volteava sobranceiro;
Rompeu-se o gelo então co'o estrondo de um
trovão...
Passou o timoneiro!
E do sul um bom vento nos soprava alento;
O Albatroz nos seguia,
E à nossa saudação, por fome ou diversão,
Buscava todo o dia!
Em névoa ou nuvem vem, no mastro ou no ovém,
Por vésperas nove pousar;
Enquanto a noite inteira, em bruma alva e ligeira,
Luzia o alvo luar.
"Velho Marujo! Deus te salve dos demónios
Que de ti te vão empós...
Que olhar! Que te molesta?" Com a minha besta
Eu matei o Albatroz.

Continua...

1 comentário: