segunda-feira, junho 16, 2008

"The Rime of the Ancyent Marinere - A Balada do Velho Marinheiro"




THE RIME OF THE ANCYENT MARINERE IN SEVEN PARTS

The wedding-guest he beat his breast
Yet he cannot chuse but hear:
And thus spake on that ancyent Man,
The bright-eyed Marinere.
Listen Stranger! Storm and Wind,
A Wind and Tempest strong!
For days and weeks it play'd us freaks
Like Chaff we drove along.
Listen Stranger! Mist and Snow,
And it grew wond'rous cauld:
And Ice mast-hight came floating by
As green as Emerauld.
And thro' the drifts the snowy clifts
Did send a dismal sheen;
Ne shapes of men ne beasts we ken
The ice was all between.


A BALADA DO VELHO MARINHEIRO EM SETE PARTES

O ouvinte contrafeito aqui bateu no peito,
Mas é forçado a ouvir;
E sua fala prossegue o Marinheiro antigo
De olhar a refulgir.
"E eis que colheu os navegantes a borrasca,
Tirânica e violenta;
Veio nas asas da surpresa, e o nosso barco
Para sul afugenta.
Pendiam os seus mastros, mergulhava a proa...
Como quem, a dar gritos e golpes em perigo,
Persegue e pisa a sombra do inimigo,
Curva à frente a cabeça,
O barco assim se evade; e ruge a tempestade
Que ao sul nos arremessa.
E de repente nos envolvem névoa e neve,
Com um frio assassino;
E, alto de um mastro ao vê-lo, flutuava gelo
De um verde esmeraldino.
E, entre os blocos errantes, penhas alvejantes
Dão espectral fulgor;
Homens não vemos e animais que conhecemos...
Só há gelo ao redor.

Continua...

1 comentário:

Adelaide disse...

Já tive a oportunidade de ouvir uma gravação do Richard Burton a declamar o poema na integra e é assombroso.