segunda-feira, março 03, 2008

A Leste nada de novo!

Photobucket

Boa noite amigas(os), mais uma vez, (desculpem-me a expressão), uma "Palhaçada"!!!
Este domingo que passou, foram realizadas eleições presidenciais na Rússia.
Até aqui tudo normal, o problema é que estas eleições democráticas, só o são em nome, porque o por enquanto actual Presidente da República Russa, Vladimir Putin, instituíu um regime "Democrático" muito sui generis na Rússia.
A Democracia Russa, é uma democracia controlada, o governo pela mão de Putin, retirou autonomia às diversas regiões, centralizou o poder em Moscovo, controla os médias, elimina quem tem coragem de falar contra ele, como fez com a jornalista Anna Politkovskaya, assassinada, com a empresa Yukos e com a guerra da Tchéchenia, onde utilizou a "força bruta" para calar um povo inteiro.
Para além da força, Putin também utiliza a "arma económica" para fazer chantagem com os outros países, nomeadamente os antigos países da União Soviética, da esfera política da mesma e com a União Europeia, através da toda poderosa Gazprom, empresa estatal Russa que controla as reservas e a distribuição de gás, cujos países atrás referidos estão dependentes.
Naturalmente que com isto tudo, as eleições na Rússia, não são, verdadeiras e isentas.
Nestas eleições, apresentaram-se três candidatos, todos eles escolhidos por Putin:
Gennady Zyuganov, que representa o partido comunista; o ultra-nacionalista Vladimir Jirinovski, e por fim, Dmitri Medvedev, o "Delfim" e escolhido por Putin para o suceder.
Medvedev, vice primeiro-ministro e presidente da "Gazprom", ganhou sem surpresas e com as percentagens necessárias o cargo de Presidente da República, tentando com isso, não dar muito nas vistas a fraude eleitoral. Após uma campanha em que não aceitou fazer debates com os outros candidatos, dar entrevistas, dar a conhecer as políticas futuras em relação à governação da Rússia, e com o aparelho do estado por trás a fazer todo o trabalho por ele, é muito estranho ter ganho com esta facilidade e vantagem sobre os outros candidatos, com cerca de 70% de votos.
Mais triste é a verdadeira oposição ser posta de parte e impedida de participar nas eleições.
Os observadores internacionais já vieram dizer que houve irregularidades, compra de votos, coacção e outras coisas mais para garantir a vitória de Medvedev, que vai ser um presidente fantoche de Putin.
Fico triste, porque mudam-se os nomes mas as políticas são as mesmas, a repressão continua, a fraude e a prepotência de certos senhores, que infelizmente conseguem enganar e convencer o povo, com idéias fáceis e políticas nacionalistas sem resultados, tudo para seu próprio enriquecimento, continuam a existir e a Rússia, é o exemplo perfeito disso (infelizmente).

Aproveito para pôr também um comentário que fiz a uma notícia da edição on-line do jornal Público, sobre os acontecimentos na América do Sul e em especial às declarações de Hugo Chavez.

"Mais uma vez o srº Chavez encontrou algo para se mostrar ao mundo, com a sua prepotência e "pseudo atitude revolucionária". Naturalmente, a Colômbia não tinha nada que proceder a acções militares dentro de outro país sem a autorização do mesmo, contrariando a lei internacional. Infelizmente, o srº Chavez, oportunista, como ele é, encontrou neste assunto que em nada lhe diz respeito uma forma de mais uma vez armar um autentico "circo" e auto promover-se. Será que este srº não se apercebe que com estas acções e demontrações de... (nem consigo denominar), só está fazer com que cada vez mais perca credibilidade perante a comunidade internacional e perca igualmente alguma da razão que tem, em relação à política dos Estados Unidos na América do Sul, mas não é com estas demonstrações que vai convencer quem quer que seja, exceptuando os que são iguais a ele, infelizmente ao que parece ainda são alguns."
Boa noite
Pipas





2 comentários:

Paracletus disse...

A Russia, do ponto de vista cultural, é um país pouco receptivo ao diálogo; é só olharmos para sua história.
De facto, estas eleições são uma farsa pegada, pois, ao fim e ao cabo, é uma "evolução sem revolução", ou seja, uma continuidade de poder da oligarquia que Putin representa...
Quanto ao matarruano pseudo-revolucionário Hugo Chavez, é só fogo de vista, pois ele jamais arriscará um conflito militar com a Colômbia, pois as suas Forças Armadas não estão suficientemente bem equipadas para enfrentar esse país. Seria um suicídio político se isso acontecesse a curto prazo, pois apressaria a sua queda do poder...

arco-íris negro disse...

O caso da Anna Politkovskaya mexe muito comigo...
E eu cá, pessoalmente, acho mais graça ao método de Estaline, não sei se conheces a história da eliminação das pessoas na foto de grupo?

Quanto ao chavez...mas alguém o vê como sr? ou presidente de alguma coisa?
É tão nepotista como fidel, mas fidel ainda se dá ao respeito...